As histórias de Mimimi a fuera

3° Cap. – Que luz violeta é essa? Ametista, veio proteger meu espírito.

Peguei a primeira carona, sentido Buenos Aieres. Através um grupo de facebook com um Senhor muito gente boa de Posadas. Foram como 24 horas seguidas de viagem, mais de 100km em que fiz uma colaboração mínima de como 40 reais.

Tudo que eu precisava em Buenos Aieres, eu tive, principalmente um, dois, três abraços amigos.

Arquivo Pessoal Mirella Arruda
Um dia feliz em Buenos Aieres, adoro lugares coloridos!

Incríveis reencontros, meu amigo do Marrocos que conheci no Brasil, estava lá. Minhas amigas Argentinas que conheci na Ilha do Mel, vivem lá e me receberam em suas respectivas casas.

Eu creio que ainda estava bem abalada, processando a ideia de que sim: eu tinha deixado tudo e mesmo que eu não pensasse em estar viajando sozinha naquele momento, eu estava, já não existia mais franceses, já não existia mais brasileiros, já não existia nada que me parecesse familiar. Eu tinha um mundo novo todo pra descobrir e ainda me sentia apegada ao velho, mas isso não deveria ser fator limitante, não foi!

As minhas amigas eram muito ocupadas entre estudos e trabalhos mas sempre davam um jeito de compartilharmos um tempo juntas, enquanto isso eu aproveitava meu tempo com meu amigo do Marrocos, pra também conhecer gente e pra aproveitar a minha própria companhia.

Buenos Aires é uma cidade muito envolvente, você escuta uma música daqui e outra de lá, e quando percebe já caminhou por toda a cidade, observando uma construção colonial ali, um prédio modernista, um contemporâneo querendo engolir a Igreja Neogótica, é uma arquitetura sem critério, como se diz no filme Medianeras, irregularidades que refletem a sua população, logo, é uma cidade para se sentir.

Arquivo Pessoal Mirella Arruda
Definição de sentir a cidade.

Creio que só serei sincera realmente ao compartilhar o filme Medianeras , só clicar no nome e será teletransportado ao filme. Ademas, adiciono a Buenos Aires, música, muito boa música, Jazz e Blues, tango! E uma comida quente, empanadas, doce de leite, alfajor, com vinhoooo.. Ah, não se esqueça do mate, pra onde for, tche, toma mate!

Buenos Aires me fez enxergar uma luz a frente do meu passado, ok, no inicio eu acreditei que essa luz iluminaria a resolução do meu passado, claro, eu também era uma menininha que vivia em contos de fadas… Foi quando uma Brasileira me disse: Não, eu não espero que daqui 3 meses vocês tenha resolvido seus problemas do passado e sim que você tenha se resolvido com você mesma. (As palavras não foram exatamente essas, mas ecoaram assim).

Arquivo pessoal Mirella Arruda.
Um dia caminhando pelos parques de Buenos Aieres.

Depois de relaxar conhecendo a cidade, aproveitando a companhia dos meus amigos, tomando banho de banheira (na casa da minha amiga tinha uma, achava um luxo). Eu sentia que a minha próxima missão era trabalhar em algum projeto voluntário, porque eu precisava me doar a alguma causa. Creio que por eu me sentir que tinha me doado demais ajudando os franceses na minha casa, agora eles já não precisavam da minha ajuda, eu me sentia um pouco inútil e me sinto muito gratificada ao poder ajudar pessoas, então me doar a algum projeto me parecia magnifico.

Eu realmente não tinha muita ideia do que eu tinha ido fazer na Argentina, eu só estava lá porque tinha que estar, porque todos os meus caminhos me levaram até esse país, com certeza a vida tinha um propósito com isso. Enfim, eu não sabia muito bem o que eu queria conhecer, e sou horrível para roteiros, geralmente não gosto de lugares turísticos, não faço pesquisas de viagens… E o que eu iria fazer na Argentina além de caminhar e comer queijo com doce de leite? Muita coisa viuuuu…

E várias pessoas começaram a me encontrar pelas ruas e eu comecei a ganhar mais pedras, ganhei uma ametista, linda! Ametista, proteção espiritual e transmutação.  Além de um forte trabalho com sonhos e viagens astrais. Um pedra digna de uma pequena Fada.

As pessoas me falavam: Você tem que ir pra Córdova, pra San Marcos Sierra. Eu não entendia bem… Mas se tantas pessoas me diziam que eu deveria ir, a vida devia ter me preparado algo em San Marcos, que por acaso, ficava do outro lado do país…

A energia de San Marcos me chamava com muita força mas eu resisti: Conheci uma brasileira que me chamou para ir fazer trabalho voluntário em Punta Indio.

Hasta luego, me fue a Punta Indio, que lugar sinistro deve ser esse…

Trilha sonora Us and Them – Pink Floyd

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s